Por que é importante perguntar para a Filosofia?

Por que é importante perguntar para a Filosofia?
0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Email -- 0 Flares ×

Característica dos curiosos, a arte de fazer perguntas nos leva a entender e saber sempre mais. É por meio dos questionamentos que conseguimos nos forçar a entender profundamente determinadas questões que, até então, passaram despercebidas por nós. Vamos pensar em como seria o mundo caso ninguém tivesse se perguntado: Por que não utilizamos a madeira para fazer rodas e facilitar nosso transporte? E outra pessoa: Por que não tentar outro material? E assim acontece a evolução do conhecimento e do pensamento.

Para a Filosofia, especificamente, a “arte de perguntar” é fortemente dependente da evolução das teorias ali propostas. Elas nos fazem dar um novo olhar às mesmas questões e descobrir novas informações.

No entanto, as perguntas devem ser boas o suficiente para produzir conhecimento. Não tenha vergonha de perguntar, pois muitas vezes a sua dúvida pode ser a de mais pessoas ao seu redor. Assim, ao perguntar, você estaria fazendo o favor de adiantar o conhecimento.

Na disciplina de Filosofia, a arte de saber questionar é o ponto central para enxergar novas rotas ou caminhos. O saber, muitas vezes, não é considerado tão importante quanto a dúvida, pois é ela que move o conhecimento crítico, assim como a Filosofia move nosso pensamento em relação aos fatos cotidianos de maneira crítica.

Grandes questões e problemas relacionados ao conhecimento, verdade, linguagem, são estudados pela Filosofia, por isso, nessa abordagem, os argumentos racionais tornam este segmento de estudo diferenciado da mitologia e da religião. Ou seja, ao recorrermos às dúvidas na Filosofia, procuramos algo que seja sólido e real.

Muitos filósofos contribuíram para nosso conhecimento, mesmo assim existem perguntas ainda sem respostas! Abaixo algumas frases  que ainda instigam o pensamento:

Sócrates (470 a.C. – 399 a.C.): “Só sei que nada sei.”

Aristóteles (384 a.C.-322 a.C.): “O ignorante afirma, o sábio duvida, o sensato reflete.”

René Descartes (1596-1650): “Penso, logo existo.”

Jean-Jacques Rousseau (1712-1778): “Geralmente aqueles que sabem pouco falam muito e aqueles que sabem muito falam pouco.”

Nietzsche (1844-1900): “Não há fatos eternos, como não há verdades absolutas.” Por isso, continue perguntando para progredir com o conhecimento!

 

Ficou curioso? Pergunte! Aqui, a gente Explica Mais!

Comentários

SIGA-NOS

RECEBA NOVIDADES

Digite seu e-mail

Copyright © 2015 - 2016 ExplicaMais

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Email -- 0 Flares ×